468x60

31 de jan de 2010

Ajuste de sensibilidade de amplificador (também chamado de ganho)

O que é, pra quê e como regular o "ganho" de amplificadores
O que é:
Basicamente serve para ajustar a sensibilidade da entrada do amplificador à máxima tensão de saída fornecida pela unidade principal através dos cabos RCA.
Em outras palavras estaremos "contando" ao amplificador qual a máxima tensão de trabalho do cd-player ou outra fonte sonora.
O botão de "ganho" (ou sensibilidade) normalmente é parecido com um botão rotativo seja grande para ajuste manual ou pequeno do tamanho de um parafuso para ajuste através de uma chave de fenda. Está marcado com uma escala linear de 0 a 10 ou por tensões que variam do máximo ao mínimo aceito na entrada ou simplesmente não está marcado nada.











Fig. 1 - Exemplos de botões de regulagem de ganho


Controle de Ganho, Pra quê?

O controle de sensibilidade determina em qual volume da unidade principal o amplificador fornecerá a máxima potência para os falantes.

Conforme a regulagem, seu amplificador fornecerá potência máxima quando sua unidade principal estiver a 10%, 50% ou 100%,... do volume total, esse ajuste deverá ser feito apenas uma vez, casando sua unidade principal com o amplificador, independente da música que estiver tocando.

A boa regulagem evita distorções por ceifamento de onda ou clipagem do sinal. Conforme descrito mais abaixo.

Tecnicamente, o que ocorre?

Todo amplificador automotivo de 12 Volts, tem uma fonte de tensão simétrica, isto é, uma tensão positiva e outra negativa que é o limite da tensão de saída. Por exemplo, um amplificador pode ter uma fonte tensão de +20Volts e -20Volts. Portanto a saída terá uma variação de no máximo +20Volts e -20Volts.

Quando o amplificador estiver trabalhando perto do limite e o usuário aumenta o nível de grave, o amplificador tentará elevar a tensão de saída acima dos 20Volts, o que ocorre é o ceifamento da onda. Os picos e vales deixam de ser arredondados e passam a ser planos, sempre limitados nos +20Volts e -20Volts.

O que é essa tal de sensibilidade ou ganho?

Se o amplificador é muito sensível (ou o ganho está muito alto, ganho no 10, tensão no 0,5 Volts) indica que qualquer nível baixo de tensão na entrada, o amplificador vai estar gerando potência máxima na saída. Um nível de tensão muito grande na entrada estará gerando distorção na saída.

Se o amplificador não está muito sensível (ou o ganho está baixo, ganho no 1, tensão no 6 Volts) indica que para o amplificador fornecer a potência máxima, precisa de uma tensão considerável na entrada.









1 = menor sensibilidade 6 = menor sensibilidade
10 = maior sensibilidade 0.5 = maior sensibilidade



Problemas decorrentes de regulagem errada.
O principal problema é a distorção por clipagem ou ceifamento de onda de saída do amplificador.

Suponha que seu amplificador foi mal regulado e que a 50% do volume de sua unidade principal o amplificador forneça sua potência máxima, caso você eleve o volume da unidade principal acima dos 50%, pode ter a sensação que o som esteja tocando mais alto, em algumas partes da música ele até estará, mas nos picos, o amplificador estará distorcendo, sua forma mais comum é o ceifamento do pico do som, isto é, se analisarmos o som em um gráfico de tensão versus tempo, o que deveria ter o formato de um morro, montanha ou onda perfeita, terá um corte nos picos, deixando-as retas (vide figura 2). É o ceifamento da onda ou clipagem da onda, essa distorção é extremamente prejudicial aos falantes, podendo queimá-los, independente da potência, por exemplo, um falante de 100W RMS ligado a um amplificador de 50W RMS distorcido poderá queirmar ou ter sua vida útil diminuída.

Esta distorção também gera harmônicos em altas frequências, por isso que o tweeter é o primeiro a queimar, em seguida o midrange, midbass e por fim, o subwoofer.

Desmistificando crenças populares
1. Um amplificador que tenha sensibilidade de 1,0 a 6,0 Volts na entrada RCA e forneça 100W RMS não irá produzir nenhum watt a mais se for ligado a uma unidade principal que forneça 6,0 Volts se comparado a um que forneça somente 1,0 Volt. Desde que esteja ajustado corretamente, nos dois casos o máximo de potência que o amplificador fornecerá será os 100W RMS. Para saber mais sobre as diferenças e vantagens do uso de diferentes tensões nas saídas RCA, veja o artigo "Diferenças de ruído em cabos RCA de 4,0 e 0,5 Volts" (colocar link).
2. Colocar a sensibilidade no máximo, não faz o amplificador fornecer mais potência que o especificado pelo fabricante. O mesmo não é um circuito milagroso que forneça mais potência do que ele foi projetado.
3. A maioria das pessoas não tem percepção auditiva para constatar distorção abaixo de 10%, portanto, não esteja tão confiante no seu ouvido.

Ajuste da sensibilidade (ganho):

As configurações da unidade principal devem estar com o Loudness desligado, Fader, balanço, bass, treble, mid todos os ajustes de som no zero. Colocar o volume da unidade principal em 2/3 do total (se ele tem volume de 0 a 30 ajuste a 20, se ele vai de 0 a 70, ajuste a 46). Esse valor de 2/3 está relacionado a distorção harmônica THD que aumenta muito acima de 2/3 da potência total.
Após regulado, você não poderá aumentar o volume acima dos 2/3, salvo casos em que o cd tenha músicas muito atenuadas.
Mas esse valor de 2/3 do volume não será válido para conseguir a potência total do amplificador se a tensão nominal do cd-player for igual a mínima tensão aceita pelo amplificador, nesse caso, deixe o volume do cd-player no máximo. Exemplo: cd-player com 0,5 Volts e amplificador que suporta 0,5 a 6,0 Volts. A 2/3 do volume do player, ele fornecerá aproximadamente 0,3 Volts
Iniciando os teste pelos falantes estéreo:
O tipo de música recomendada é aquela que não tem reforços nos graves, cantores como Madonna e Michel Jackson são alguns exemplos. Generalizando são as músicas que tem voz masculina e feminina.
Com o ajuste da sensibilidade do amplificador no mínimo, aumente-a até ouvir distorção, então diminua o ganho, pois a percepção de distorção humana é ruim e só percebemos altas distorções. Afaste-se do carro aproximadamente três metros e tente ouvir alguma distorção, caso positivo, diminua um pouco a sensibilidade. Com três metros de distância nossos ouvidos estão menos suscetíveis às influências do interior do carro facilitando a percepção de distorção.
Mantenha os canais estério deste modo e aumente a sensibilidade do amplificador do subwoofer até a uma intensidade sem distorção mas compatível com a dos falantes estéreo, buscando o equilíbrio tonal do sistema sem que nenhuma freqüência se sobresaia, conseguindo assim um som harmônico.
Afaste três metros e escute novamente, se perceber distorção, abaixe a sensibilidade do subwoofer, repita esta operação até o som estar harmônico.
Após isto abaixe um pouco mais a sensibilidade dos canais estério e do subwoofer, mantendo a mesma proporção, para que exista uma margem para os ajustes finos que poderão ser feitos pela unidade principal como o Grave, Agudo, Médio, etc.
Se você deixar a sensibilidade alta, quando a unidade principal estiver num volume baixo você terá o amplificador fornecendo intensidade máxima, se aumentar mais o volume da unidade, o amplificador vai gerar distorção nos picos da música que acarretará na queima dos falantes/subwoofer, como escrevemos no início.

 Fonte: AutoSom.net

Um comentário:

 

Contato

Contato@ somautomotivopb.com

Total de visualizações